08/05/2020 às 11h04min - Atualizada em 08/05/2020 às 11h04min

Livro vai lembrar os 40 anos dos naufrágios dos navios Sobral Santos e Novo Amapá | Portal Obidense

Tragédias ocorridas no Pará, em janeiro e setembro de 1981, ceifaram a vida de mais de 600 pessoas. Publicação relata os principais naufrágios da Amazônia, como o Ana Karolline III, ocorrido este ano no Amapá, que matou mais de 40 pessoas.

Por: Walmir Ferreira
Informações Blog do Autor
Foto: Blpg do Autor - Lonk na materia
PARÁ - Com previsão para lançamento e distribuição em Livrarias na segunda quinzena de novembro, o livro “Sobral Santos e Novo Amapá – 40 anos de impunidade” vai relembrar os naufrágios que mataram centenas de pessoas nos rios da Amazônia. A publicação, de autoria do jornalista Evandro Corrêa, faz um relato profundo e minucioso dos maiores naufrágios ocorridos na região, entre os quais, o mais recente, do barco motor Ana Karoline III, que naufragou no Amapá matando mais de 40 pessoas. 
 
Com relatos e depoimentos de autoridades, sobreviventes e testemunhas, o livro reconta as histórias dos naufrágios do Sobral Santos, II, que foi a pique na madrugada do dia 19 de setembro de 1981, no porto da cidade de Óbidos, no oeste do Pará, matando mais de 300 pessoas, e também a tragédia do navio Novo Amapá, que naufragou no dia 6 de janeiro do mesmo ano, no rio Cajari, em Almeirim, acidente que deixou um saldo de mais de 400 mortos. 
 
Nos dois casos, ninguém foi responsabilizado ou punido pelos dois naufrágios, conhecidos como as maiores tragédias do Brasil, só perdendo, em números de vítimas, para o naufrágio do navio Príncipe das Asturias, ocorrido em São Paulo em 1916, matando mais de 400 pessoas e o acidente com o avião da TAM, em 2007, em São Paulo,  deixando um total de 199 vítimas fatais.
 
 O livro, que conta os momentos de agonia e desespero dos passageiros, reforça que tanto no naufrágio do Sobral Santos II como no do Novo Amapá, a superlotação e o excesso de carga deram o tom da tragédia. “Os dois navios foram a pique a noite e a maioria dos passageiros dormia em redes e camarotes, fatores que impossibilitaram o salvamento de centenas de pessoas. 
 
O difícil acesso e a demora na chegada de equipes de resgate dificultaram a retirada da maioria dos corpos do fundo das águas. Em “Santana, no Amapá, e em Óbidos, corpos foram amontoados e sepultados, sem identificação, as dezenas, em enormes valas”. Diz a publicação. 
 
 
A tragédia do Sobral Santos II, ceifou a vida de famílias inteiras e deixou dezenas de órfãos. Estrangeiros, e pessoas oriundas de vários estados do Brasil perderam a vida no naufrágio. Muitos corpos jamais foram encontrados. O caso, apesar do número recorde de vítimas fatais, sequer chegou aos tribunais. 
 
O barco não tinha lista de passageiros, o que impossibilita, até hoje, determinar o número exato de mortos. Existem muitos relatos de que mergulhadores foram pagos para furar corpos no fundo do rio para não boiarem, e conseqüentemente, aumentar a lista de vítimas fatais. 
 
Em Óbidos, onde foram sepultadas a maioria das vítimas, apenas as grandes valas, sem nomes de identificação, lembram aquela fatídica data. O porto da cidade, por muitos anos, ficou com a pecha de “cais Fantasma”. Com uma investigação precária e inconclusiva, a história é hoje apenas um arquivo, sem responsabilização e punição dos culpados. O navio, hoje com nome Cisne Branco, continua transportando cargas e passageiros nos rios da Amazônia. 
 
No caso do naufrágio do Novo Amapá, familiares das vítimas ingressaram na justiça com pedido de indenização e responsabilização dos proprietários, da União e do Estado. No entanto, o processo foi arquivado em 1997. Até hoje, sobreviventes e familiares de vítimas se encontram anualmente, no dia de finados, no cemitério de Santana, para velar seus mortos e manter viva a história da tragédia.  
 
Além de narrar os dois maiores naufrágios ocorridos no Pará, o livro também faz um resumo cronológico das grandes tragédias amazônicas, com as histórias de mais de quarenta naufrágios ocorridos na região, nas últimas 4 décadas, com destaque também para um acidente com um rebocador, as proximidades de Óbidos, que matou 11 pessoas, cujos corpos só foram retirados do fundo das águas, dois meses após o acidente.  A obra, que deverá ter mais de 300 páginas, faz uma abordagem realista sobre a precariedade da navegação na Amazônia e também relata outras nuances das tragédias, como o ataque de peixes territorialistas e vorazes, como a Pirarara, o “Tubarão da Amazônia”, cujos cardumes teriam devorado vítimas dos naufrágios.
 
O livro “Sobral Santos e Novo Amapá – 40 anos de impunidade” está em fase de finalização. O autor criou o Blog https://sobralsantosenovoamapanaufragio.blogspot.com/ e também uma página no Facebook @sobralsantosenovoamapanaufragio com a finalidade de manter contato com vítimas, familiares e testemunhas das tragédias, que queiram dar seu depoimento para a obra. Os contatos podem ser feitos pelos números 91 9 8126 2993 ou 9 8284 – 3175. (ZAP).

 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual BANDA ou CANTOR que vc gostaria de ver num Grande Evento Paraense em 2020 em Manaus

2.3%
23.0%
10.2%
1.3%
0%
0%
15.1%
1.6%
0.7%
35.5%
1.3%
4.3%
3.3%
1.3%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp