Construção Igreja Matriz

Construção Igreja Matriz

A Igreja Matriz de Santa Anna, em Óbidos seu início, tempo e qual recurso usado para sua construção.  (Parte 01)

Mais um relato sobre a história de Óbidos em estudo denominado Crônicas Pauxis. O Portal Obidense continua a viagem pela história de nossa terra querida.

Pe. Sidney Augusto Canto (*) 

VILA DE ÓBIDOS - Antes da construção da atual Igreja Matriz de Santana, havia apenas uma capela, no antigo Forte, que tinha como orago e padroeiro Santo Antônio. A aldeia missionária propriamente dita ficava junto à foz do rio Trombetas. Lá construíram os frades franciscanos a primeira capela em honra a Santa Anna, avó de Jesus. É esta capela que podemos ver no prospecto desenhado por Schuwebel, no ano de 1756. 

Com a criação da Vila e Paróquia de Óbidos, ocorrida em 25 de março de 1758, foi escolhido e demarcado o largo do Pelourinho, junto ao qual deveria ser construída a nova Igreja Matriz (vide nota 01). Sabe-se que o primeiro Bispo que visitou Óbidos, Dom Frei João de São José, nos faz a primeira referência sobre a nova igreja dizendo que era uma “igreja ordinária, coberta de folha” (palha). Nela o bispo celebrou missa e crismas, além de atestar a devoção indígena local à Santa Anna, que então estava sob os cuidados paroquiais do frade carmelita Frei Francisco de Sales, não contando a freguesia mais do que 300 almas. 

Foi somente em 1784 que o sonho da atual igreja matriz começaria a se tornar realidade. No dia 23 de outubro daquele ano, aportava na Vila de Óbidos o Governador do Grão-Pará, Martinho de Souza e Albuquerque que, acolhido pelo Senado da Câmara, foi conduzido à igreja paroquial de Santa Anna, onde ouviu missa celebrada pelo seu capelão e: 

(...) sendo representado a grande ruína que havia a dita igreja, e a precisão e o desejo que tinha a Irmandade da dita Santa [Anna] de edificar outra em o lugar que fosse mais próprio, ouviu o sargento-mor engenheiro sobre a escolha do terreno, encarregando-o da delineação de um risco para ela (...). 

O sargento-mor engenheiro em questão trata-se de João Vasco Manoel de Braum, que acompanhava a expedição do Governo e foi o responsável pela planta original da nova Matriz de Santa Anna, em Óbidos. A obra foi confiada à Irmandade de Santa Anna, que para dispor de recursos pecuniários para a edificação da mesma, conseguiu a posse de dois cacauais e escravos com permissão dada por meio de carta régia de 02 de janeiro de 1802. Foi assim, com base na mão de obra escrava e com a venda de cacau que se construiu a atual Matriz Obidense. 

Em 1788 os trabalhos de construção ainda não haviam sido iniciados, pois o Bispo do Pará, Dom Frei Caetano Brandão, abrindo visita Pastoral em Óbidos no dia 24 de dezembro daquele ano, celebrou os ofícios litúrgicos ainda na antiga matriz, da qual fez a seguinte descrição: “A Igreja é demasiada pequena para o número de Fregueses; está, porém, asseada no seu tanto e pode passar pelo que respeita às alfaias”. 

Enquanto os trabalhos de construção não iniciavam, as cerimônias ocorriam na antiga capela construída pelo primeiro pároco de Óbidos, em taipa e coberta de palha, e com a falta de muitos materiais, como podemos observar de uma lista feita em 1799 sobre o que faltava para a antiga igreja paroquial: 

Uma caldeirinha, seis castiçais, uma lâmpada, uma ambula para o Sacrário, um purificatório, um vaso para a comunhão, uma cruz processional, um sino, dois pluviais branco e roxo, uma umbela, quatro frontais das cores do templo, um véu de cálice roxo, um dito verde, uma manga de cruz branca, uma dita roxa, três toalhas de altar, duas ditas para a mesa da Comunhão, duas ditas para o lavatório, dois amictos, um véu de ombros.

Não temos a data correta do início dos trabalhos, sabemos, entretanto, que os mesmos correram a passos lentos. Enquanto isso, no início do século XIX, uma nova capela foi construída na Vila de Óbidos (vide nota 02), para reparar o sacrílego ato do roubo das hóstias, foi construída uma capela do desagravo, próxima ao antigo cemitério, no lugar onde as hóstias foram encontradas.

Em 04 de maio de 1821, a Junta Governativa do Grão-Pará, solicitava providências do Juiz Ordinário da Vila de Óbidos sobre a situação paroquial, julgando que a antiga matriz, construída na época em que fora criada a paróquia, apresentava um aspecto “deplorável e indecente”. As autoridades civis e eclesiásticas se reuniram para debater o que fazer, diante destas circunstâncias. Como a antiga Matriz não oferecesse mais condições dignas para o culto sagrado, o novo pároco de Óbidos, padre Raimundo Sanches de Brito, sugeriu transferir a Matriz para a nova Capela do Desagravo. Quanto à primeira igreja matriz, depois de servir ao povo por pouco mais de 60 anos, foi entregue à ruína naquele mesmo ano de 1821...

NOTA 01: O historiador Arthur Cézar Ferreira Reis, denomina esta primeira Matriz como a antiga igreja dos padres da Piedade. Não é exatamente esta a verdade. Os padres da piedade tinham sua capela junto à missão indígena, que ficava localizada junto à foz do rio Trombetas.

NOTA 02: O cônego Francisco Bernardino de Souza, escrevendo no ano de 1873 sobre o fato sacrílego que levou à construção da capela do Desagravo, o coloca como ocorrido na época da Cabanagem, acusando os cabanos do roubo da ambula com as sagradas hóstias. O fato é que tanto o ato sacrílego como a construção da capela do Desagravo, que foi a segunda Matriz de Óbidos, são anteriores ao período da Cabanagem.

(*) O autor é pós-graduado em História da Amazônia pela Faculdades Integradas do Tapajós – FIT. Fundador e primeiro presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós – IHGTap e membro da Academia de Letras e Artes de Santarém – ALAS.

Link
Tags »
Construção Igreja Matriz A Igreja Matriz de Santa Anna em Óbidos seu início tempo e qual recurso usado para sua construção óbidos pará chupa osso
Comentários »

Findando o período letivo qual a matéria mais difícil de passar?

0%
20.0%
60.0%
0%
0%
20.0%
0%
Moeda Valor
Dólar 3.2226
Euro 3.8194
Peso Argentino 0.1854
Bitcoin 29001