21/02/2024 às 11h31min - Atualizada em 21/02/2024 às 11h31min

Maior navio do mundo, no século 17, o galeão Padre Eterno foi construído no Brasil

Estaleiros semelhantes aos da baía de Guanabara, responsável pela construção do Padre Eterno, funcionavam em vários pontos da costa brasileira

Da redação
Mar Sem Fim

Maior navio do mundo, no século 17

BRASIL - Na segunda metade do século 17, foi fundado um estaleiro na atual Ilha do Governador, onde hoje está localizado o Aeroporto Antônio Carlos Jobim. Entre outras embarcações, este estaleiro foi responsável pela construção do galeão Padre Eterno, tido por muitos historiadores como o maior navio do mundo naquela época. A fonte desta informação é o livro “A muito leal e heroica cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro”. A obra é do historiador Gilberto Ferrez. Além de escrever o texto, Ferrez também diagramou as páginas, selecionou as imagens e fez pessoalmente os contatos para obtê-las, tanto no Brasil quanto no exterior. A concepção do livro foi do colecionador Raymundo Castro Maya, e foi publicado em 1965 para comemorar os 400 anos da fundação do Rio de Janeiro.”

Importância da obra

O livro é tão relevante que, em 2015, houve uma exposição e reedição da obra. A respeito deste evento, o Estadão comentou: “Ferrez usou imagens icônicas do Rio, de pintores dos séculos 18 e 19, como Debret, Rugendas, Taunay e Victor Meirelles. Incluiu até fotografias de nomes pioneiros, como o de seu avô, Marc Ferrez, cujo trabalho é um dos mais importantes da segunda metade do século 19.”
Uma dessas gravuras, que reproduzimos abaixo, mostra o galeão Padre Eterno. E o jornal continua: “O livro foi um marco editorial durante as celebrações do quarto centenário da cidade, numa época em que a bibliografia sobre o Rio de Janeiro era escassa. A obra foi impressa em Paris.”
 
Para quem deseja debater sobre o número de tripulantes, sugiro que discuta com Gilberto Ferrez ou com o inglês Charles Boxer, um historiador, bibliófilo e professor de civilização portuguesa na London University. Boxer é autor de diversas obras, dentre elas ‘O Império Marítimo Português, 1415 – 1825’, publicada pela Edições 70. Em seu trabalho sobre o Rio de Janeiro, Gilberto Ferrez menciona que “foi o professor inglês Charles R. Boxer quem encontrou este documento inédito. Em uma conferência em Londres, ele comprovou a construção do galeão na Ilha do Governador.


 

Outra obra aborda a construção de Padre Eterno

Outra publicação, mais recente, intitulada “Escravidão, volume 1”, de autoria de Laurentino Gomes, também destaca a construção do galeão Padre Eterno, enfatizando sua grandiosidade. No entanto, os dados apresentados diferem dos mencionados no trabalho de Ferrez. Segundo Laurentino, o galeão Padre Eterno tinha um peso de 2 mil toneladas, estava preparado para acomodar 144 canhões e ostentava um mastro imponente, esculpido a partir do tronco de uma única árvore. Este mastro tinha quase três metros de circunferência na base, tamanho suficiente para que, para abraçá-lo, fosse necessário três homens se juntarem de mãos dadas em volta dele. Infelizmente, Laurentino não fornece informações sobre a tripulação em seu livro.

Os ecos da construção do maior navio do mundo do século 17

Segundo Laurentino Gomes, “era um navio tão grande que especulações a seu respeito começaram a circular pela Europa antes ainda que deixasse o Rio de Janeiro. Em março de 1665, o jornal português Mercúrio Portuguez, de Lisboa, referia-se à construção, no Brasil, “do mais famoso baixel de guerra que os mares jamais viram”, despertando de imediato a curiosidade da comunidade diplomática local. Sete meses mais tarde, quando, finalmente, atracou no cais no rio Tejo, foi saudado com a seguinte notícia: ‘Veio nesta frota aquele famoso galeão… o maior que há hoje, nem se sabe que houvesse nos mares’.
 

‘Proeza da engenharia colonial brasileira’

Laurentino Gomes: “Essa proeza da engenharia colonial brasileira estava destinada a ser uma espécie de Titanic do século 17, na comparação do historiador Luiz Felipe de Alencastro. Apesar de suas gigantescas proporções, teria um fim trágico ao naufragar no oceano Índico algum tempo depois de passar por Lisboa, inaugurando a sina que seu congênere britânico do século 20 repetiria cerca de 250 anos mais tarde.
Mas sua existência era testemunho das ambições da elite escravagista brasileira no auge do ciclo do açúcar e às vésperas da descoberta do ouro em Minas Gerais. Estaleiros semelhantes aos da baía de Guanabara, responsável pela construção do Padre Eterno, funcionavam em vários pontos da costa brasileira.”

Salvador Correia de Sá e Benevides, o mandante da construção

Laurentino conseguiu identificar o mandante da construção. Para o autor de Escravidão, foi Salvador de Sá, também governador do Rio de Janeiro entre 1637 e 1661. “Um dos homens mais eminentes da história da escravidão no Brasil. Nascido no Rio de Janeiro em 1602, de mãe espanhola, filha do governador de Cadiz, Salvador de Sá pertencia à mais fina flor da aristocracia fluminense que emergia ao final dos dois primeiros séculos da colonização.”

Descendente de Mem de Sá

“Era descendente dos fundadores da cidade, Mem de Sá e Estácio de Sá. Seu pai, Martim de Sá,  governou a capitania do Rio de Janeiro por duas vezes.” Laurentino diz que Salvador de Sá foi um dos maiores traficantes de escravos de então.
“Ele teria visitado as lendárias minas de Potosí, aos pés da cordilheira dos Andes, de onde era extraído o metal que dá nome ao rio. Graças à ligação com os mineradores andinos, criou uma rede de fornecimento de escravos de Angola para o Império Colonial Espanhol, acumulando um tesouro em moedas de prata.”

Não duvide de nossa então capacidade náutica

Não há dúvidas: o Brasil foi o mais importante centro náutico, e local de escala para as naus da Carreira da Índia. Aprendemos com os melhores mestres daquele período, os portugueses.

Vale conhecer nossa história náutica

A riqueza de nossa história náutica fascina e surpreende. Numerosas embarcações típicas ainda navegam por nossas águas, atestando essa riqueza. Elas exibem cores vivas, formas singulares e ostentam grandiosas e saudosas velas, acrescentando poesia e elegância ao nosso litoral. Estas embarcações são frutos da grandiosa epopeia náutica lusitana, uma história que, infelizmente, muitos ainda não conhecem ou celebram. De fato, algumas dessas embarcações têm suas raízes nas caravelas  que chegaram ao nosso litoral no século 16.

Joshua Slocum: os marinheiros brasileiros e suas embarcações

Nosso complexo de país ‘vira-latas’ nos fez acostumar a dar crédito quando as informações vêm de fora. Pois bem. Se você não acredita em nossas habilidades náuticas, saiba que um dos maiores ícones da vela mundial, o comandante norte-americano Joshua Slocum, primeiro a fazer uma volta ao mundo em solitário, em meados do século 19, ‘babava’ pelo talento de nossos antepassados. Sobre a aptidão náutica dos brasileiros e suas embarcações ele escreveu (no prefácio de seu livro A Viagem do Liberdade):
Estas canoas, às vezes produzidas a partir de árvores gigantescas, habilmente modeladas e escavadas, são ao mesmo tempo a carruagem e carriola da família para o sítio, ou do arroz para o moinho. Estradas são quase desconhecidas onde a canoa está disponível; consequentemente, homens, mulheres e crianças são todos adestrados quase à perfeição na arte da canoagem. […] a navegação, portanto, é usada com grandes vantagens pelos habitantes quase anfíbios da costa, que amam a água e movem-se nela como patos e marinheiros natos. Até hoje idolatrei a honestidade dos nativos brasileiros, bem como a habilidade náutica nacional e a perícia com canoas.
 
Do site Mar Sem Fim: https://marsemfim.com.br/
 
Fontes: A muito leal e heroica cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro; A viagem do Liberdade, de Joshua Slocum; http://brasil.estadao.com.br/blogs/estadao-rio/livro-historico-sobre-rio-e-reeditado/; Escravidão, Volume 1, Globo Livros.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp