12/12/2023 às 07h57min - Atualizada em 12/12/2023 às 07h57min

Uepa realiza I Simpósio Paraense de Plantas Medicinais da Amazônia

Evento recebe inscrições até a quarta-feira, 13

Da Redação
Ag. Pará

Portal Obidense  Publicidade 790x90

Fotos: Divulgação

PARÁ - Mesmo quem mora nos espaços urbanos da Amazônia, já deve ter ouvido falar ou utilizado algum tratamento à base de plantas medicinais, que ocorrem na região como as sementes de jucá em infusão, para ajudar a cicatrizar um ferimento; um cházinho de espinheira santa, para o estômago; chá de pariri, para anemia, e aquele óleo de copaíba, altamente anti-inflamatório. Apesar desse uso ser baseado, na maioria das vezes, em um conhecimento de tradição oral, relacionado às memórias de gerações mais velhas, cientistas de diversas áreas se dedicam ao estudo dessas plantas, para validar uma aplicação segura de suas propriedades. Por essa e outras razões, a Universidade do Estado do Pará (Uepa), realiza nos dias 13 e 14, o I Simpósio Paraense de Plantas Medicinais da Amazônia (SPPMA), que recebe inscrições online até o primeiro dia do evento.

De acordo com a organização, o evento é pioneiro ao reunir especialistas, pesquisadores e defensores da medicina tradicional e científica, para explorar as riquezas naturais e os usos medicinais das plantas na Amazônia. As palestras, mesa redonda, minicursos e trabalhos submetidos ao simpósio focalizam pesquisa, conservação e intercâmbio cultural, com o objetivo de “fortalecer o entendimento e a preservação do vasto conhecimento das plantas medicinais amazônicas, promovendo colaboração interdisciplinar e práticas sustentáveis, ao mesmo tempo em que celebra a rica herança da região”.

O professor do Departamento de Ciências Naturais da Uepa, Pablo Luis Figueiredo esclarece que o evento, organizado pelo Laboratório de Química dos Produtos Naturais (LaQuiProN) da universidade, busca “promover, justamente, a integração entre a medicina tradicional amazônica e o ambiente acadêmico, visando à preservação cultural, troca de conhecimentos e avanço na pesquisa científica relacionada a plantas medicinais na região da Amazônia”.

Atenção aos usos

E como a pessoa comum pode saber se deve ou não consumir um chá ou uma pomada daquelas que as pessoas indicam, se muitas vezes não encontram as orientações sobre as contraindicações? Como químico, com mestrado e doutorado em Química, o professor Pablo responde que é importante procurar orientação de profissionais qualificados, especificamente da saúde, como médicos ou farmacêuticos, para avaliar a segurança e eficácia de tratamentos à base de plantas. “Eles podem fornecer informações sobre possíveis interações medicamentosas e contraindicações, garantindo o uso seguro desses recursos da medicina tradicional”, explica.

Nesse sentido, ele afirma que “muitas plantas medicinais possuem compostos com propriedades medicinais. Porém, esses tratamentos são considerados complementares e poucas vezes podem substituir a medicina convencional”. Outras plantas podem ter propriedades curativas ou preventivas, entretanto, é fundamental buscar orientação profissional para garantir o uso seguro.

Portal Obidense  Publicidade 790x90


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp