20/05/2022 às 09h59min - Atualizada em 20/05/2022 às 09h59min

A instituição fiscal independente aponta uma melhora geral no cenário econômico brasileiro, com alta no crescimento | Portal Obidense

No entanto parte do resultado se deve à inflação, que pode fechar o ano em 7,9%.

Redação
Rádio Senado
Rádio Senado
Brasil - O ambiente de instabilidade internacional, reforçado pela guerra entre a Rússia e a Ucrânia, provoca retração da economia e inflação em todo o mundo, em especial pela falta de insumos. Os países produtores como o Brasil, entretanto, podem se beneficiar do aumento dessas mercadorias. A alta nos preços, aliada à recuperação de setores como comércio e serviços e ao aumento no consumo esperado pela liberação do FGTS, elevou a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto de 0,5% para 1% em 2022. Mas esses indicadores devem ser vistos com cautela, explica o diretor da Instituição Fiscal Independente Daniel Curi.

O quadro fiscal em relação ao que a gente previa em dezembro de 2021, ele é melhor. A gente tem dados – pro resultado primário tanto pra 2022 quanto pros anos seguintes e também pra dívida pública – melhores hoje do que tínhamos em 2021. Por outro lado, a principal contribuição, especialmente agora no curto prazo continua vindo da inflação. Então não é o tipo de contribuição que a gente espera ajudando as contas públicas.

A inflação deve fechar o ano em 7,9%, mais que o dobro da meta, de 3 e meio. Curi explica que em um segundo momento medidas para conter essa alta nos preços, como o aumento dos juros, devem desacelerar a economia. A estimativa da IFI é que a taxa Selic – que começou 2021 em 2% – chegue a 13,25% no fim de 2022. O relatório aponta ainda que a alta dos juros vai pressionar as despesas públicas, mas que devido à aprovação da PEC dos Precatórios, o teto de gastos será respeitado, pelo menos até o fim do regime especial.

Nosso cenário de despesa é um cenário de risco baixo de descumprimento de teto de gastos em 2022, 23 e 24, pelo menos. E aí a gente tem os principais riscos. A PEC dos precatórios, uma das formas que ela se utilizou para ampliar o espaço fiscal para novas despesas foi impor um limite para os gastos com sentenças judiciais e precatórios. Essa regra, esse limite de pagamento, ele só vale até 2026.

A IFI calcula ainda que a arrecadação deve crescer, impulsionada pela alta dos preços dos produtos e serviços.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp