11/06/2021 às 18h04min - Atualizada em 12/06/2021 às 00h00min

Higienização das Mãos tornou-se uma poderosa aliada no combate à Covid-19

Atualmente existem dispositivos que interagem com as pessoas, e incentivam até mesmo a adesão dos profissionais de saúde à higienização das mãos.

DINO
http://www.aamed.eco.br


Higienizar as mãos faz parte daquela lista de atitudes básicas e simples que garantem mais saúde a todas as pessoas. Dentro do ambiente hospitalar, esse hábito se torna ainda mais importante e determinante para evitar possíveis complicações entre os pacientes.  

Entretanto, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), aproximadamente 70% dos profissionais de saúde e 50% das equipes cirúrgicas não praticam rotineiramente a higienização das mãos.

Em tempos de pandemia, esse hábito é ainda mais importante, principalmente para os profissionais de saúde e estudos confirmam que a prática, quando realizada constantemente, reduz as infecções associadas aos cuidados de saúde. A prevenção e controle de infecções são fundamentais para sistemas de saúde mais seguros e eficazes.

Vale lembrar que o tema sempre esteve em pauta no setor de saúde. No ano de 1847, o médico húngaro-austríaco, Ignaz Semmelweis descobriu, antes de qualquer comprovação científica, que as febres que recorrentemente levavam às parturientes à morte podiam ser evitadas caso as parteiras e/ou médicos daquela época higienizassem bem as suas mãos. Desde então, a máxima de que as mãos eram o principal transporte de germes para pacientes foi consolidada.

Ainda de acordo com a OMS, em países desenvolvidos, a cada 100 doentes hospitalizados a qualquer momento, sete adquirirão pelo menos uma infeção associada aos cuidados de saúde, mas o controle da limpeza das mãos faz esse número cair em cerca de 30%.

Isso também mostra como as campanhas de conscientização oriundas da iniciativa de grandes entidades têm feito a diferença para mudar este cenário. A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aponta que desde 2017 há uma crescente adesão dos hospitais à vigilância dessas infecções, colaborando assim com o PNPCIRAS (Programa Nacional de Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde), que estabelece como meta a redução, em âmbito nacional, da incidência de IRAS (Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde) em serviços de saúde.

Neste sentido, diversas tecnologias tornaram-se grandes aliadas e facilitadoras da higienização das mãos em ambientes hospitalares. Hoje existem, por exemplo, até androides que interagem com as pessoas, fazem projeções visuais e incentivam a adesão dos profissionais de saúde à higienização das mãos.

A tecnologia fornece educação, controle e monitoramento da higiene das mãos com qualidade e garantia de qualidade, levando a uma operação mais segura e eficiente em áreas de importância vital, como saúde, indústria de alimentos, biotecnologia e produtos farmacêuticos.

O HIS (Semmelweis Handinscan – Escâner de Mãos Semmelweis), que foi batizado com este nome em homenagem ao médico Ignaz Semmelweis, também é outro equipamento tecnológico que levou à categoria de gestão profissional o controle mais eficiente e seguro da higienização das mãos das equipes dos hospitais, ajudando-os no combate a germes, vírus e bactérias.

O Sistema Semmelweis funciona escaneando as mãos, uma de cada vez, higienizadas e após receberem uma aplicação de álcool em gel com luminol. Após o escaneamento, ele identifica as áreas das mãos que ainda possuem sujidades.

Alguns dados gerais já foram coletados sobre a higienização das mãos no geral e, curiosamente, as áreas que mais aparecem sujas mesmo após o escaneamento são as pontas dos dedos e os polegares.

Além disso, por meio de um software, os dados são armazenados e o comportamento dos profissionais ao longo do tempo é analisado, permitindo a gestão e treinamentos mais assertivos para as equipes. Os resultados têm sido positivos e atualmente revelam queda nos índices de infecção hospitalar comprovada em todas as unidades hospitalares que já utilizam a tecnologia.

Alguns hospitais localizados na Europa já utilizam o dispositivo, tais como:

  • Sanofi-Aventis, TEVA, Richter, Bayer (Hungria);
  • Charité Medical University – Berlim (Alemanha);
  • Hospitais da Universidade de Genebra, HUG – Genebra (Suíça);
  • Hospital Triemli – Zurique (Suíça);
  • Hospital Geral de Viena, AKH – Viena (Áustria);
  • Universidade de Semmelweis – Budapeste (Hungria);
  • Centro de Saúde Albert Szent-Györgyi – Szeged (Hungria).

O Hand in Scan Semmelweis está disponível no Brasil desde meados do ano passado e tem sido testado no Instituto Central do Hospital das Clínicas de São Paulo e no Hospital Vila Nova Star, também localizado na capital paulista.



Website: http://www.aamed.eco.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual BANDA ou CANTOR que vc gostaria de ver num Grande Evento Paraense em 2020 em Manaus

2.4%
22.6%
10.1%
1.8%
0%
0%
15.5%
1.8%
0.6%
33.9%
1.5%
3.9%
3.9%
2.1%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp