08/12/2023 às 11h10min - Atualizada em 08/12/2023 às 11h10min

MP e PF apontam que PCC pesquisou endereços de Lira e Pacheco em 'missão'

Investigação do Ministério Público e Polícia Federal identificou uma pesquisa minuciosa a respeito das casas dos presidentes da Câmara e do Senado. Ainda não se sabe qual seria o objetivo e quem seria o mandante do plano

Da Redação
Correio Braziliense

Portal Obidense  Publicidade 790x90

Segundo relatório, facção criminosa pesquisou endereços de Arthur Lira e Rodrigo Pacheco - (crédito: Lula Marques/ Agência Brasil)

BRASIL - Relatórios de inteligência do Ministério Público Federal de São Paulo e a Polícia Federal apontam que a facção Primeiro Comando da Capital (PCC) fez um levantamento detalhado sobre os endereços dos presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para uma “missão”. No entanto, não é apontado no documento qual seria o plano executado. A informação foi adiantada nesta quinta-feira (7/12) pelo jornal Folha de São Paulo.

Segundo o Ministério Público, além de levantar a localização das residências oficiais dos chefes do Congresso, o grupo criminoso também enviou um seleto grupo de integrantes da facção para Brasília para colocar em prática a missão. Os agentes da PF encontraram, em um celular de um dos alvos da investigação, fotos aéreas das residências oficiais de Lira e Pacheco, com comentários sobre os imóveis. As imagens foram capturadas na internet em 29 de novembro de 2022.

O plano foi descoberto no âmbito do inquérito que desarticulou uma ação do PCC para sequestrar o senador Sergio Moro (União Brasil-PR). Em setembro, a Justiça Federal do Paraná acatou a denúncia feita pelo Ministério Público contra nove indivíduos suspeitos de elaborar o crime.

A polícia também encontrou registros de pesquisa sobre imóveis para compra na Península dos Ministros, no Lago Sul, em Brasília, região onde são localizadas as residências dos chefes do Legislativo. Para os investigadores, esses dados “demonstram que houve determinação da cúpula para que esse setor do PCC, a célula Restrita, realizasse esses levantamentos das referidas autoridades da República”.

O relatório informa que em 9 de maio deste ano, dois meses após a operação que mirou Sergio Moro, Janeferson Gomes, conhecido como Nefo, apontado como chefe da ‘célula Restrita,’ até então, acionou outros integrantes do PCC para a missão. Também houve outras despesas de “aparelhos celulares, aluguel de imóvel, transporte, seguro, IPTU, alimentação, hospedagem, mobília do imóvel, compra de eletroeletrônicos”. Segundo o MP, pelo menos 44 mil reais foram gastos com o plano da facção.

Correio entrou em contato com os chefes das Casas Legislativas para questionar se eles aumentarão a segurança depois da constatação do relatório. A assessoria do deputado Arthur Lira informou que ele não irá se pronunciar sobre o caso. A equipe de Rodrigo Pacheco não respondeu às perguntas da reportagem até a publicação desta matéria.

Portal Obidense  Publicidade 790x90


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp