15/02/2023 às 11h05min - Atualizada em 15/02/2023 às 11h05min

Ludmila Lins Grillo é afastada do cargo de juíza por criticar decisões do STF | Portal Obidense

Magistrada afirma ser vítima de perseguição

Da Redação
revistaoeste.com

revistaoeste.com

MINAS GERAIS - O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) afastou a juíza Ludmila Lins Grillo, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, na terça-feira 14, depois de abrir dois processos administrativos contra a magistrada. Ela entrou no alvo do CNJ depois de criticar decisões de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).
 

Ludmila discorda do inquérito das fake news e disse que juízes do STF podem ser alvo de impeachment.
 

A primeira investigação interna vai apurar se a magistrada violou os deveres funcionais. Ela supostamente tem faltas sistemáticas ao trabalho presencial, baixa produtividade, morosidade e exercício paralelo de atividade empresarial.
 

Ludmila alegou ser vítima de um “assassinato de reputação” e de um “estardalhaço midiático”. Em sua defesa, a magistrada disse que deixou o expediente presencial e começou a fazer audiências, a partir de cidades alternadas, porque passou a sofrer ameaças relacionadas ao trabalho.
 

“O Gabinete de Segurança Institucional do Tribunal de Justiça expressamente recomendou que o público não tivesse ciência da minha localização física, pois isso implicaria imediato risco de vida”, disse. “Eu mesma tive de prover a minha própria segurança, trabalhando integralmente por videoconferência.”
 

O segundo processo disciplinar é sobre “manifestações político-partidárias” da juíza em entrevistas, eventos e nas redes sociais. O CNJ vai investigar se ela violou o dever de imparcialidade.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp