30/01/2022 às 16h21min - Atualizada em 06/02/2022 às 00h10min

Não é ficção. Biodigestão é tecnologia!

Por Leandro Toledano - CEO da Biomovement Ambiental

SALA DA NOTÍCIA Roberta
www.homebiogas.com.br
Vira e mexe nos deparamos com filmes incríveis que mostram resíduos virando combustível.

Em 1979, o filme australiano Mad Max, dirigido por George Miller, trazia Max (Mel Gibson) que era roubado ao cruzar um deserto. Para recuperar suas coisas, seguia até o povoado de Bartertown, um lugar que dependia de uma usina de metano, produzido por fezes de porcos. O anão Master, que controlava a usina, afirmava repetidamente: “cocô não, energia!”

Em 1985, o primeiro filme da série De Volta para o Futuro, dirigida por Robert Zemeckis, mostrava o Dr. Emmett Brown (Christopher Lloyd) abastecendo o Delorean, seu carro que viajava no tempo, com restos de comida.

Já em 2015, o astronauta Mark Watney (Matt Damon) é dado como morto em uma missão ao planeta Marte e lá cultiva batatas a partir de uma mistura de solo marciano, uma pequena amostra de solo terrestre que veio na missão, água e restos orgânicos — exatamente, restos de comida e fezes. O filme é Perdido em Marte, dirigido por Ridley Scott.
Em 2022, podemos dizer que a biodigestão não é uma ficção e sim uma realidade, que promove a gestão adequada dos resíduos orgânicos, evitando contaminações e superlotação de lixões e aterros.

A Biomovement Ambiental, empresa que atua sob os pilares da tecnologia, inovação e desenvolvimento sustentável, é a representante exclusiva no Brasil da Homebiogas, empresa israelense que atua em mais de 100 países com foco na microgeração de energia limpa, a partir da biodigestão dos resíduos orgânicos.

Ou seja, tornamos possível que produtores agrícolas, assim como as empresas, escolas, restaurantes, hotéis, canis e até as residências possam produzir energia para cozinhar (biogás) através de restos de comida, cascas de ovos, e verduras e frutas e até mesmo as fezes.

Ao serem destinados no biodigestor HomeBiogas, esses resíduos passam por um processo microbiológico no qual as bactérias anaeróbicas presentes no biodigestor os transformam em biogás - energia renovável -, que o sistema canaliza para o uso na cozinha, e em um biofertilizante natural e rico em matéria orgânica, que fortalece o solo. 

Conforme o tipo de resíduo colocado no sistema, há variação nos subprodutos. Estudos mostram que a produção de metano das fezes varia de animal para animal. Os dejetos das galinhas, por exemplo, produzem 35% a mais que as de um elefante. Já as fezes de vacas emitem mais metano que a de humanos. Tudo isso influencia na geração do biogás.

O tipo de resíduo também influencia no resultado biofertilizante produzido na biodigestão. Por ser um subproduto natural e rico em nutrientes, que fortalecem o solo, o biofertilizante é uma alternativa sustentável aos insumos químicos, melhorando a qualidade de produção e minimizando a contaminação ambiental.

E o melhor: é possível adaptar a composição do biofertilizante para que ele sirva melhor a cada tipo de cultura, variando o tipo de resíduo orgânico que alimentará o biodigestor. 

Dava um filme? Sim! Mas não é ficção. É tecnologia!
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual BANDA ou CANTOR que vc gostaria de ver num Grande Evento Paraense em 2020 em Manaus

2.3%
22.4%
10.2%
1.7%
0%
0%
15.1%
1.7%
0.6%
33.2%
1.7%
3.7%
4.8%
2.6%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp