09/09/2021 às 11h36min - Atualizada em 09/09/2021 às 11h36min

Pesquisa da Ufopa sobre impacto da exploração florestal é publicada na Animal Conservation | Portal Obidense

Cientistas utilizaram morcegos como organismos-modelos para estudar os efeitos da exploração florestal madeireira de impacto reduzido sobre a biodiversidade

Por: Walmir Ferreira
Testo e Foto: Ufopa
Fotos: Arlison Bezerra Castro

SANATARÉM - Ex-aluno do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais da Amazônia (PPGRNA) da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), Arlison Bezerra Castro, hoje técnico no Laboratório de Ecologia e Conservação do Instituto de Biodiversidade e Florestas (Ibef), é o autor principal de artigo publicado no último dia 5 de setembro, no conceituado periódico científico Animal Conservation, sobre os efeitos da exploração madeireira de impacto reduzido na biodiversidade da Floresta Nacional do Tapajós, na região Oeste do Pará.

O artigo “Influence of reduced-impact logging on Central Amazonian bats using a before-after-control-impact design” (Influência da exploração madeireira de impacto reduzido em morcegos da Amazônia Central usando um desenho amostral de controle-impacto antes e depois – livre tradução) apresenta os resultados de estudo realizado entre 2014 e 2015, na Flona Tapajós, que utilizou morcegos como organismos-modelos para avaliar o impacto da exploração madeireira.

“Estudos normalmente comparam a biodiversidade de áreas manejadas e não manejadas após a ocorrência do impacto. Aqui, em parceria com a Cooperativa Mista da Flona do Tapajós (COOMFLONA), tivemos a oportunidade de fazer o trabalho em duas áreas, uma que seria explorada (impacto) e outra que permaneceria inexplorada (controle)”, explica o professor da Ufopa Rodrigo Fadini, orientador do estudo, que também contou com a colaboração dos pesquisadores Paulo Estefano Bobrowiec, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Sônia Castro e Luís Reginaldo Rodrigues, ambos do Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais da Amazônia (PPGRNA) da Ufopa.


 
A pesquisa teve por objetivo avaliar a resposta da fauna de morcegos às modificações causadas na floresta pelas atividades de exploração madeireira e foi realizada através da coleta de dados em campo. “No estudo usamos os resultados para tirar conclusões sobre a capacidade da exploração madeireira de impacto reduzido em cumprir os objetivos de conservação, ao mesmo tempo que permite impactos mínimos na biodiversidade”, explica Arlison Castro no resumo do artigo.
 
Durante 64 noites, foram capturados 706 morcegos, de 36 espécies e 24 gêneros. “Os morcegos foram escolhidos porque são de fácil amostragem, possuem taxonomia bem resolvida e respondem rapidamente a diversos impactos ambientais. Além disso, são importantes na realização de diversos serviços ecológicos, como dispersão de sementes, polinização e controle de insetos”, afirma Rodrigo Fadini.

Os resultados mostraram que morcegos animalívoros, que se alimentam de insetos e de pequenos vertebrados, foram afetados pelo manejo de impacto reduzido, principalmente em áreas cuja copa da floresta foi mais atingida pelas atividades madeireiras. “Testamos a relação entre a abertura do dossel da floresta e a assembleia de morcegos antes e depois da exploração madeireira”, afirma Arlison Castro.


 
Para Rodrigo Fadini, o estudo de fato revela que algumas guildas de morcegos podem ser afetadas pela exploração madeireira em curto prazo. “A resposta dos morcegos depende da guilda alimentar à qual eles pertencem. Aqueles que consomem frutos e néctar aumentaram tanto na área manejada quanto na que permaneceu intacta. Já os morcegos que consomem insetos e pequenos vertebrados se reduziram tanto em abundância quanto em riqueza de espécies, afetando sua composição. Esses morcegos também foram afetados pela abertura do dossel após a exploração madeireira”, explica. Para os cientistas, pesquisas futuras devem avaliar “se” e “quando” essas guildas retornarão ao estado pré-exploração.
 
Diante desse resultado, os pesquisadores concluíram que os empreendimentos de exploração madeireira, mesmo aqueles que promovem menores distúrbios à floresta, que é o caso da exploração realizada na Flona do Tapajós, precisam deixar algumas áreas preservadas dentro da Área de Manejo Florestal para permitir o retorno da fauna mais sensível após a exploração da floresta.
 
A pesquisa indica ainda que é necessário utilizar a amostragem antes do manejo para avaliar o real efeito da exploração florestal sobre as espécies da fauna; e que o desenho amostral proposto, com o estudo das áreas antes e depois do manejo, deveria ser usado como o método padrão para estudos de impacto do manejo sobre a biodiversidade em longo prazo.

O artigo, publicado no periódico Animal Conservation, pode ser encontrado em https://doi.org/10.1111/acv.12739.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual BANDA ou CANTOR que vc gostaria de ver num Grande Evento Paraense em 2020 em Manaus

2.3%
22.3%
10.0%
1.7%
0%
0%
15.2%
1.7%
0.6%
33.5%
1.7%
3.7%
4.6%
2.6%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp