07/01/2020 às 18h29min - Atualizada em 07/01/2020 às 18h29min

Assista “Noiva do Museu” O Filme – Um conto Obidense | Portal Obidense

Uma produção dos alunos 8° ano – Turma B da Escola Municipal Dr. Raymendo Chaves, direção Prof. Carlos Vieira, narração Profa. Cleonice Barros

Por: Walmir Ferreira
Um Filme de Carlos Vieira
ÓBIDOS – Produção amadora, por alunos da escola Raymundo Chaves em Óbidos - PA


 
Ficha técnica:

Dirigido por: Prof. Carlos Vieira
Narração: Profa. Cleonice Barros (em memória)
Supervisão: Regina Figueira
Atores:
Ormiria: Áurea Lorena Rodrigues
Mãe de Ormiria: Luiza Batista
Pai de Ormiria: Luan Venâncio
Silvério: Jhonatas Cleober Siqueira da Silva
Esposa de Silvério: Luma Claudiane
Equipe de Apoio:
Maria Fernanda Tavares
Ana Beatriz Moreira e Yuri Rodrigues
Produção: Alunos do 8° ano – Turma B da Escola Municipal Dr. Raymendo Chaves
Edição: Cristiano
 
Resumo - A noiva do Candelabro (Noiva do Museu).

Conta os mais idosos em suas cadeiras de balanço, um fato que marcou a memória dos obidenses no final da década 30. O amor marcado pela tragédia, a fatalidade de uma notícia que circulava pelas ruas estreitas da cidade.

Ormiria havia se envenenado, toda de branco, vestida e uma falsa certeza.
O cenário: No casarão, hoje o museu da cidade, morava a família do juiz da comarca, e juntamente Ormiria, agregada a família. Enamorou-se de um militar de certa patente, que prestava serviço no quartel. (Hoje casa da cultura).

Todos os dias ela ficava na janela a sua espera, no final da tarde ele passava e deixava na rua uma extensão do amor de Ormiria.

Então logo não demorou o noivado, a cidade sabedora de fatos secretos e públicos, não foi diferente. Todos sabiam a data do casamento, e a especulação por parte da população de quem seria convidada. Será que o fulano irá alinhado com a mesma roupa de domingo e que estampam as festas e cerimonias oficiais? Será que cicrano e suas filhas vão ser as mais vistas na festa com seus vestidos de seda? Será?

A cidade se resumiu apenas em um repertorio de conversas nas esquinas: O casamento da filha do juiz.

E como um temporal que arrasta embarcações levando o desespero de seus tripulantes, a cidade foi inundada por uma notícia que marcaria profundamente as estórias de amor.

O amor de Ormiria era também o amor de jurema, filha de um certo Nicolau, morador da rua das incertezas, número não tão importante, de um Bairro no Rio de Janeiro.

Jurema chegou a Óbidos ás cinco da tarde, no vapor vindo de Belém, chegou com suas certezas, chegou com intuito de resgatar as promessas levantadas no altar “que sejam felizes até que a morte os separe”...

No dia seguinte as janelas do casarão. Fato comprovado. A cidade se preparava para o grande cortejo, para o choro anônimo, para enterrar um amor que sairia do casarão para ilustrar as tardes de estórias que os mais antigos contam para quem quisesse ouvir. “Neste casarão ainda aparece a noiva do candelabro, vestida de branco, descendo e subindo escadas, ora aparece à janela como se olhasse o passado e visse o tempo que ainda não apagou sus lágrimas.


Empresa mantenedora do Portal: Ferry Bout Comte. Paiva – A. Amaral de Paiva 929.91151276 ou Gerência 939.9197-6375 e 9.9215-6144


 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Qual BANDA ou CANTOR que vc gostaria de ver num Grande Evento Paraense em 2020 em Manaus

2.3%
23.0%
10.2%
1.3%
0%
0%
15.1%
1.6%
0.7%
35.5%
1.3%
4.3%
3.3%
1.3%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp