03/03/2018 às 18h22min - Atualizada em 03/03/2018 às 18h22min

Dez curiosidades sobre a História de Fordlândia...

Por Pe. Sidney Augusto Canto
Viste o Blog do Pe. Sidney
Foto: Arquivo Blog do Pe. Sidney

01. E o início foi assim...

Em 17 de fevereiro de 1925, o empresário norte americano Henry Ford expressa publicamente o seu desejo de cultivar a borracha natural, a exemplo do que já vinha acontecendo na Ásia, em plantações mantidas pelo monopólio dos ingleses, desde o século XIX. A ideia original do milionário parecia ser adquirir um terreno na Flórida. Por conta disso, no dia 25 de fevereiro, o agente consular brasileiro nos Estados Unidos, José Alves de Lima, propõe ao governador do Estado do Pará, Dionísio Bentes: “oferecer gratuitamente, a maior soma possível de terras públicas, com a condição expressa dele (Henry Ford) cultivar a nossa hevea nas mesmas”. Dionísio Bentes abraçou a proposta, dando início a cadeia de eventos que levaria à epopeia de Ford na Amazônia. O contrato da concessão, entretanto, só seria assinado a 21 de julho de 1927, dando direito à exploração de terras públicas por Henry Ford, na Amazônia.

 

02. As primeiras contendas sobre a Concessão...

Antes mesmo de começar a existir, Fordlândia teve muitos adversários que, sob a bandeira de defesa do patrimônio nacional, eram contrários à ideia da Concessão de Terras Públicas do Pará à Empresa Ford. Um desses opositores era o senador paraense Antônio Emiliano de Sousa Castro. O debate sobre a concessão teve, como um dos mais vorazes defensores, o advogado dr. Samuel Mac-Dowell, que tinha como principal cliente, na época, a “Pará Plantations Limited”.

 

03. Fordfilia e Fordmania...

O exemplo prático da primeira era o que os jornais, ainda no ano de 1927, falavam sobre a vinda de Ford para a Amazônia: “Ford é nosso amigo! Ele vai trazer dinheiro para esta terra! A vida vai melhorar! Teremos acesso ao luxo, o bom e o melhor! O progresso finalmente chegará ao Tapajós!”. Exemplo curioso da segunda vai para o Alfaiate Magno Rodrigues que, em Santarém, colocou um novo nome ao seu empreendimento: ATELIER DE ALFAIATARIA FORD (a propósito, Magno tinha como concorrente outro alfaiate famoso destas terras: maestro José Agostinho). Outras ideias haviam, como o COCKTAILL À FORD: uma mistura de açaí com whisky, cujo sabor nunca experimentamos e, pelo que sabemos, jamais foi vendido no início da história de Fordlândia, por conta da “Lei Seca”.

 

04. O início dos trabalhos em Boa Vista...

Os primeiros chefes da Companhia Ford que vieram para trabalhar na construção de Fordlândia, chegaram a Santarém no dia 21 de março de 1928 e logo em seguida seguiram para Boa Vista, a fim de ver o melhor lugar para construir uma ponte de desembarque para os navios que Henry Ford pretendia mandar, carregados de material para a construção de Fordlândia. No dia 04 de maio de 1928 era derrubada a primeira árvore e aberta a primeira clareira na mata para a construção de Fordlândia, dando início a uma das maiores derrubadas e grandes queimadas já vistas até então.

 

05. Os humores que mudavam em Santarém e região...

Em Santarém, a princípio, houve uma profunda defesa em prol da Concessão Ford. O jornalista Felisbelo Jaguar Sussuarana era um dos seus mais fiéis defensores, nas colunas do seu jornal: A Cidade. Entretanto, posteriormente, pelas colunas do mesmo jornal, podemos ver o relato das primeiras revoltas e fracassos acontecidos em Boa Vista, além da denúncia dos “males sociais” advindos até Santarém, com a chegada da Companhia Ford.

 

06. A chegada dos navios norte-americanos...

O primeiro embarque de material para a construção de Fordlândia saiu de Detroit em julho de 1928. No dia 16 de setembro desse mesmo ano, chegam a Santarém os navios “Lake Ormoc”, trazendo a reboque o “Lake Farge”. Entretanto, por conta da vazante dos rios amazônicos, somente no dia 06 de dezembro, deixariam o porto santareno para subir o rio Tapajós. Um erro de logística que retardaria o início dos trabalhos para o castigador inverno amazônico.

 

07. Nem tudo eram flores no jardim de Ford...

Santarém se viu alarmada com a chegada da Companhia Ford. Já a 06 de outubro de 1928, o jornal A Cidade, no seu editorial mostrava a preocupação pela chegada de enorme quantidade de pessoas que abarrotavam a então pequena cidade. Apesar de virem pessoas boas, vieram também algumas consideradas “indesejáveis”. Aumentaram-se os alugueis, alguns em até 100 ou 200%. Galinhas sumiam dos galinheiros, pequenos furtos eram registrados e a cidade, que antes possuía 7.000 habitantes e apenas um delegado e cinco policiais se viu em polvorosa situação de insegurança.

 

08. Os primeiros conflitos trabalhistas...

Ainda na fase de derrubada e queimada das matas para a instalação de Fordlândia, quando a vida na novel Concessão Ford nem bem havia começado, foi registrada a primeira revolta de trabalhadores. No dia 20 de novembro de 1928, chega a Santarém a notícia da primeira sublevação trabalhista em Boa Vista. Os salários diminutos e a péssima alimentação foram os motivos para que muitos trabalhadores abandonassem os trabalhos e volvessem para Itaituba, Aveiro e, principalmente, Santarém, onde foram recebidos pelos cinco policiais da cidade, armados em posição de linha, junto à praia de desembarque. Foi chefe deste movimento de revolta o brasileiro (natural do Rio Grande do Norte) Sebastião Rozendo da Silva, que havia chegado a Boa Vista no dia 06 de novembro e, em meros 10 dias conseguiu arregimentar levantar o protesto dos trabalhadores contra os dirigentes da Companhia.

 

09. A vontade de resolver os problemas...

Por conta de diversas críticas advindas principalmente por conta da situação dos trabalhos em Boa Vista, Henry Ford manda um de seus funcionários, W. C. Cowling fazer uma inspeção nas obras da Companhia Ford nas margens do rio Tapajós. Satisfeito com o que viu, a 15 de setembro de 1929, ele declara: “com relação a algumas críticas que foram publicadas na imprensa por diversas vezes, e em confronto com o se viu, a maior parte delas proveio do desconhecimento dos planos da Companhia”. Até então, os trabalhadores moravam em casas de palha e comiam em um barracão precário. Foi a partir desta visita que se começou a planejar a construção de moradias e prédios mais dignos para os empregados da Companhia.

 

10. O quebra-panelas de Cauassú-ê-pá...

No dia 29 de março de 1930 um grupo de trabalhadores de Fordlândia invadiu o restaurante de propriedade do senhor Dário Rodrigues e Silva e praticaram uma grande depredação naquele estabelecimento, localizado na comunidade de Cauassú-ê-pá. Na ocasião, os trabalhadores de Boa Vista amotinados, feriram gravemente ao empregado do restaurante, Luiz Pereira e o dono do terreno onde se localizava o mesmo refeitório, o sr. Firmino Meireles. O quebra-panelas (e também de cabeças) acontecido em Cauassú-ê-pá pode ter servido de inspiração para o outro quebra-panelas, desta vez no refeitório da Companhia Ford, em Boa Vista, que aconteceu a 22 de dezembro de 1930, e que ficou mais famoso. De fato, Henry Ford amargava desgostos com a Companhia e começou a pensar se não seria hora de entregar tudo de volta ao Governo Brasileiro. Mas tanto Getúlio Vargas, como Magalhães Barata pensavam diferente. E a história continua... 

Fontes: Acervo pessoal do autor, acervo ICBS e acervo da Biblioteca Nacional.

Click AQUI e veja mais

Link
Relacionadas »
Comentários »

Qual BANDA ou CANTOR que vc gostaria de ver num Grande Evento Paraense em 2020 em Manaus

2.4%
22.5%
10.3%
1.5%
0%
0%
15.2%
1.8%
0.6%
34.3%
1.2%
4.0%
4.0%
2.1%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp